CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA à MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO MUNDO

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

50 risos para Grey


17/02/2015  02h00




Saio de casa para assistir a "Cinquenta Tons de Cinza", fenômeno na Inglaterra e, claro, no globo inteiro. E então imagino: uma sala lotada com centenas de senhoras de meia-idade, dispostas a conhecer o amado Grey que despertou nelas todos os sonhos esquecidos, reprimidos, adormecidos.
Primeiro choque: sábado à tarde e a sala está quase vazia. Segundo choque: o público presente é composto de adolescentes que vieram em grupo para provar a natureza transgressiva da história. Terceiro choque: eu sou provavelmente o espectador mais velho da sala.
A situação exige medidas drásticas. Sento-me junto a duas amigas, tiro o bloco de notas do bolso e depois, sorrindo, ofereço uma desculpa: "Trabalho". Elas sorriem de volta -e murmuram: "Pois, pois". Afundo na cadeira.
O filme vale a pena. Mas somente se você, leitor, for a uma sala com adolescentes. Eles são o coro perfeito para o que sucede na tela: por cada cena de sexo, por cada gemido, por cada açoite- e a gargalhada é geral.
Entendo. Essa é a geração que, na internet, encontra pornografia "hardcore" instantânea e grátis. As cenas "transgressivas" de "Cinquenta Tons de Cinza" são, para eles, brincadeira de crianças. Literalmente.
Uma das amigas, aliás, comentou com a outra: "Parece que estão brincando aos médicos e pacientes." Anotei o comentário. O sadomasoquismo do filme é tão perverso que também eu descobri ter começado a praticá-lo ainda na infância. Quando a professora da escola primária usava a régua para corrigir os meus erros de matemática.
Mas de que trata "Cinquenta Tons de Cinza"? Não li o livro. Comprei-o. Dez páginas depois, reparei que passara as últimas cinco com pensamentos intrusivos ("cortar as unhas", "comprar leite", "marcar almoço com"). Desisti.
De modos que: avancei para o filme no mesmo estado da protagonista Anastasia. Em estado virgem.
Esse é o primeiro momento surreal do filme: quando sabemos que Anastasia permanece ignorante em matéria de flores e abelhas. (O segundo momento é quando ela confessa uma paixão literária por Thomas Hardy.)
A inocência dura pouco: depois de conhecer Grey, o milionário propõe-lhe um contrato para que ela seja o seu brinquedo sexual. Não li o contrato, mas passei alguns minutos a fantasiar o que aconteceria se o dito cujo fosse parar a tribunal por incumprimento de uma das partes.
Imaginei discussões legais ("segundo o artigo 2º da cláusula 5ª a sra. Anastasia comprometia-se a receber seis chibatadas, e não apenas quatro"), tudo sob o olhar reprovador do juiz. Mas divago.
No fim, Anastasia está cansada das tareias porque ama Grey. E Grey, incapaz de amar, prefere continuar com as tareias. Um clássico: expectativas divergentes sempre foram um veneno nas relações.
De regresso a casa, consulto bibliografia secundária para compreender o apelo que "Cinquenta Tons de Cinza" teve na imaginação feminina. E descubro, em artigos que parecem cópias uns dos outros, que a história virou fenômeno porque incontáveis mulheres suspiravam por homens como Grey: alguém capaz de usar o cinto para muito mais do que simplesmente segurar as calças.
No fundo, a história seria uma denúncia dos machos "flácidos" (digamos assim) que a cultura feminista promoveu. "Dureza" e "firmeza", eis os quesitos básicos para as mulheres do século 21.
Nada a dizer, tudo a respeitar. Mas, se um pouco de violência é aquilo que falta em muitos lares, a única coisa que se lamenta é a falta de comunicação entre os casais. Se o livro contribuir para mais abertura e mais equimoses, substituindo pontos de ruptura por pontos de sutura, a autora E.L. James já terá dado seu contributo para o amor pós-moderno.
Infelizmente, o filme talvez não esteja à altura do livro. Porque olhando para a figura de Grey -para o seu patético embotamento afetivo- é duvidoso acreditar que aquilo é príncipe que se apresente para qualquer donzela arfante.
Pelo contrário: as suas fragilidades são tão absolutamente efeminadas que nunca sabemos se ele vai entrar em cena de chicote -ou de fraldas.

Fosse eu o autor da história e teria salvado a relação entre Anastasia e Grey. Bastaria que a primeira conquistasse o coração do segundo oferecendo-lhe o conforto de uma chupeta. 



joão pereira coutinho
João Pereira Coutinho, escritor português, é doutor em ciência política. É colunista do 'Correio da Manhã', o maior diário português. Reuniu seus artigos para o Brasil no livro 'Avenida Paulista' (Record) e é autor do ensaio 'As Ideias Conservadoras Explicadas a Revolucionários e Reacionários' (Três Estrelas). Escreve às terças na versão impressa e a cada 2 semanas, às segundas, no site.

Um comentário:

LICA Armada disse...

Acrescento`que aquilo não é príncipe que se apresente para uma mulher na acepção da palavra`
esse livro consumido e sucesso propalado pelas mulheres foi escrito para homens adquirirem savoir fair na dita arte, tendo ou não qualquer pseudo salvo-conduto interior `e simplesmente para refletirem, assimilarem e distinguirem, como as próprias mulheres entre a boazinha cãozinha malabarista e a que tem o comando. Pois assim o trato com as mulheres,em sendo metáforas a parte, pois estas foram para dar relevância no que na real rédea curta e chibata física ou mental, se esvaem, exauri em todos os sentidos, ressalvando os adeptos ao sado que lhes aprouver. Enfim no caso somente para um transporte entre o que os homens tem q saber para estar com uma mulher poderosa, porque e por estas que se apaixonam e se perdem nos tratos. Reflitam e coloquem em pratica os 50 tons de sentir-se e ser amado.

Miss Guarujá-Biquinis Guarujá

Miss Guarujá-Biquinis Guarujá
COMPRE NA NOSSA LOJA VIRTUAL-CLIQUE AQUI