CLIQUE AQUI E SEJA LEVADA à MAIOR LOJA DE BIQUÍNIS DO MUNDO

domingo, 25 de julho de 2010

Quando perdemos a razão para levantar pela manhã, começamos a morrer, diz livro


da Livraria da Folha

Divulgação
Livro ajuda leitor a encontrar verdadeiras prioridades da vida
Livro ajuda leitor a encontrar verdadeiras prioridades da vida

Trabalhar, organizar um lar, cuidar da família, administrar uma vida social e ser feliz, tudo ao mesmo tempo, pode parecer impossível e até desmotivar quem já não é tão novo e nem sempre encontra significado nessas tarefas.

Para os escritores americanos Richard Leider e David Shapiro, é preciso encontrar o que realmente importa na existência para poder saborear o mundo de forma equilibrada. É o que se propõem a ensinar em "O Propósito da Vida".

De acordo com os autores, é necessário descobrir a fina medida entre as atividades cotidianas para alcançar uma vivência sábia, que fuja do excesso de cobranças e restrições.

Com uma narrativa simples, ilustrada por casos reais e filmes conhecidos, como "As Confissões de Schmidt" (estrelado por Jack Nicholson) e "O Feitiço do Tempo" (com Bill Murray), Leider e Shapiro desenvolvem reflexões e práticas para que o leitor consiga encontrar e definir suas prioridades.

Os autores ainda apresentam técnicas para que o leitor se ajuste às novas necessidades descobertas, como o "check-up anual de objetivos", a "carta ao seu eu mais jovem" e os "indicadores de fase".

"O Propósito da Vida" promete guiar o leitor para uma reelaboração do significado de sua existência e o encontro da felicidade.

Richard Leider e David Shapiro também são autores de "Reorganize Sua Bagagem - Tire o Peso de Sua Vida" e "Assobie Enquanto Trabalha - Considerando a Vocação de Sua Vida"

Veja trecho.

*

"Quantas pessoas felizes de verdade você conhece? Se só conseguir ocupar os dedos de uma mão, pense em uma segunda pergunta: por que tão poucas pessoas são felizes de verdade?

Um dos motivos é a falta de objetivo. O objetivo é essencial para a profunda alegria. Quando perdemos a razão para levantar pela manhã, começamos a morrer. Muito da atual insatisfação é fruto do fracasso em descobrir novas formas de salvar e saborear o mundo. Quando o objetivo desaparece, a vitalidade desaparece. E mesmo que ninguém mais perceba o vazio em nossas almas, nós percebemos.

A maioria de nós tem uma clara consciência do objetivo quando ele está presente nos outros e em nós mesmos, e temos uma desconfortável sensação de 'morte interior' - vazio - quando está ausente.

Viver com objetivo significa ao mesmo tempo salvar e saborear o mundo. Ambos são essenciais para a vitalidade. Você tem motivo para se levantar pela manhã? Enquanto desfruta da vida tem uma razão maior que si mesmo para viver? Objetivo tem muitos significados, mas um deles é a relação essencial entre salvar e saborear.

O objetivo é a força motriz por trás do motivo para levantar pela manhã. O grande teste de felicidade é o seguinte: 'Você consegue examinar sua vida e sentir paz de espírito por estar levando uma vida com objetivo?'. Você vê o seu quadro atual, independente de quão limitado por questões financeiras ou de saúde, como o de uma vida com objetivo?

Objetivo é o que mais nos preocupa; aquilo com que nos importamos; o que nos mantém em movimento. Objetivo é a âncora que nos prende à vida, que nos estabiliza durante crises, que nos mantém em pé quando nada mais funciona. Ele ajusta as coisas. Dá sentido em momentos de incerteza ou perda."

*

"O Propósito da Vida"
Autor: David Shapiro, Richard Leider
Editora: Larousse
Páginas: 192
Quanto: R$ 24,90
Onde comprar: 0800-140090 ou na Livraria da Folha

domingo, 18 de julho de 2010

Devagar,divagar -Crônica de Ivan Angelo



Calma. Viver é devagar. Uma pessoa leva nove meses para nascer, um ano para andar e ganhar dentes, dois anos para falar, seis para ler, dezoito anos de escola para se formar, trinta anos para ficar maduro, noventa anos para morrer. Para que a pressa? Não se estresse. “Apressa-te devagar”, aconselhava o historiador romano Suetônio ao imperador Adriano.

Por que têm pressa os que têm pressa?

A pressa é um perigo. Acontecem 700 acidentes por dia nas rodovias brasileiras, 42 000 pessoas morrem anualmente em acidentes de trânsito, 24 000 só nas estradas. Por que a pressa? As cidades estão lá à espera no término da viagem, as praias estão lá, os hotéis, os parentes, os amigos, nada vai sair do lugar, mas todos têm pressa. Parecem fugir dos quilômetros. “Não há nada que se possa fazer com pressa e prudência ao mesmo tempo”, ensinava o latino Publilio Siro, 2 000 anos antes da invenção do automóvel.

A pressa para ganhar dinheiro amolece a moral, favorece o crime, a corrupção, a bajulação, o carreirismo, a passada de perna. Na última década do século passado, começou a circular, com o peso de um salmo bíblico, a nova mensagem aos jovens: aquele que não ganhar seu primeiro milhão antes dos 30 anos será um perdedor. A pressa entrou em cena nos escritórios, vieram os atropelamentos nos corredores das empresas. Como diz o delinquente do filme 'Notícias de uma Guerra Particular', sobre um par de tênis que viu alguém usando e o qual não podia comprar: “Eu vou pegar, brother”; o jovem da classe média diz sobre o milhão que outros têm: “Eu vou pegar o meu, cara”.

Também no amor a pressa não resulta em grande coisa. A pressa dos conquistadores assusta a presa. A dos ansiosos provoca fracasso na hora H. A dos imprevidentes termina em gravidez. A dos maridos dá origem a mulheres insatisfeitas. A das esposas encoraja adúlteros. A dos namorados os acostuma à falta de capricho no amor. A dos solteirões produz velhos solitários, que não atentaram, enquanto era tempo, para um conselho de avô: “Fuja das mulheres, mas devagar, para que elas possam alcançá-lo”.

Pressa para fazer um trabalho não dá certo. O oleiro sabe que não adianta apressar o barro. Uma mesa benfeita, uma cirurgia precisa, uma casa bem construída, um sapato confortável, uma estrada segura — tudo tem seu tempo, e não é o dos apressados. Lembram-se da cratera da Linha 4 do Metrô de São Paulo? Viram o absurdo urbano do Minhocão? Viram a trapalhada do Plano Collor? “A pressa é o ritmo dos trapalhões”, diz o escritor americano Ambrose Bierce. O povo sempre soube disso, ao criar ditados como “A pressa é inimiga da perfeição”, “Roma não se fez num dia”, “Devagar se vai longe”. Gasta-se tempo fazendo, e outro tanto refazendo. Vamos, pois, desacelerar, ouvindo o que diz um escritor de prosa saborosa, o londrino G.K. Chesterton: “Uma das grandes desvantagens da pressa é o tempo que ela nos faz perder”.

A pressa na arte resulta em obras sem arte. Que de mais grandioso existe entre as obras de arte coletivas do que as catedrais, como as de Paris, Colônia, Milão, Reims e outras? Levaram cinco, seis séculos para ficar prontas. O pior que se pode dizer de um romance, de uma mostra de pintura, de um concerto, de um espetáculo teatral é que são apressados. Arte é concepção, realização e acabamento. E isso toma tempo, tempo de criar, corrigir, aparar, avaliar, polir. Quinhentos anos antes de Cristo o sábio chinês Confúcio ensinava: “Coisa feita com pressa é coisa malfeita”. Viver é divagar.

domingo, 11 de julho de 2010

RESTAURANTE SALAD'S PASTA E PASTEL NO GUARUJÁ

Conheça o Restaurante mais Versátil do

Guarujá



Massas e buffet de pratos quentes e frios.
Você escolhe a massa,o molho e os ingredientes e vê seu prato sair na hora.
Caneloni, ravioli,capeleti e outras massas a R$10,00. Porções grandes e satisfatórias.
Quilo do buffet R$19,90 o quilo.
Quartas e Sábados feijoada e salada à vontade.

**
Praia de Pitangueiras
Guarujá Center Shopping
Rua Mário Ribeiro 345/369
Atrás do Pão de Açucar da Av. Pugliese
Telefone 13-33862744

Miss Guarujá-Biquinis Guarujá

Miss Guarujá-Biquinis Guarujá
COMPRE NA NOSSA LOJA VIRTUAL-CLIQUE AQUI